Filosofia

Filosofia é uma palavra grega que significa "amor à sabedoria" e consiste no estudo de problemas fundamentais relacionados à existência, ao conhecimento, à verdade, aos valores morais e estéticos, à mente e à linguagem.

História

(do grego antigo ἱστορία, transl.: historía, que significa "pesquisa", "conhecimento advindo da investigação") é a ciência que estuda o Homem e sua ação no tempo e no espaço, concomitante à análise de processos e eventos ocorridos no passado.

Teologia

O presbiterianismo refere-se às igrejas cristãs protestantes que aderem à tradição teológica reformada (calvinismo) e cuja forma de organização eclesiástica se caracteriza pelo governo de uma assembleia de presbíteros, ou anciãos.

Linguas antigas

O hebraico (עברית, ivrit/ibrit) é uma língua semítica pertencente à família das línguas afro-asiáticas. A Bíblia original, a Torá, que os judeus ortodoxos consideram ter sido escrita na época de Moisés, cerca de 3 300 anos atrás, foi redigida no hebraico dito "clássico".

Professor Isaias Lobão em ação...

panel
3456
panel
345
panel
139
panel
89

  O Blog do Isaias contém vários artigos interessantes que nos levam à reflexão e aprimoramento intelectual.
Comente, compartilhe e curta os posts do professor Isaias Lobão. Leia +

O professor Isaias Lobão Júnior faz parte do corpo docente no Campus Paraíso do Tocantis do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Tocantis.
       

 Isaias Lobao Pereira Júnior.

 Nasceu em Anápolis, Goiás.

 Casado com Talita é pai da Ana Clara e do Daniel.

 É presbiteriano. Gosta de pamonha de sal e de ouvir música dos anos 70.

 Professor do ensino básico técnico e tecnológico, atuando no Instituto Federal do Tocantins, campus Paraíso do Tocantins.

 Trabalha com tradução e revisão, especialmente nas áreas de Teologia, Filosofia e História, além de outros de caráter geral.

 Revisou obras das editoras Monergismo, CLiRe e Puritanos.

 Participou de cursos ministrados pela Kilgray Translations e pela Across Language Server para utilização de ferramentas de tradução assistida por computador (CAT Tools).

 

3 razões porque creio que Paulo é o autor da epístola aos Efésios

17 Maio 2017
3 razões porque creio que Paulo é o autor da epístola aos Efésios

Um tema muito debatido na pesquisa bíblica é o da autoria de Efésios. A opinião dos biblistas está dividida quanto à autoria paulina de Efésios, mas uma grande maioria de...

Sobre o latim

04 Abril 2017
Sobre o latim

Hoje, dia 4 de abril de 2017, vou iniciar uma turma de latim. Como parte do plano de trabalho no instituto federal, temos que oferecer cursos de extensão, com a...

Um tema muito debatido na pesquisa bíblica é o da autoria de Efésios. A opinião dos biblistas está dividida quanto à autoria paulina de Efésios, mas uma grande maioria de estudiosos preferem optar por ser uma pseudonímia, isto é, um texto escrito em nome de Paulo, no espírito de Paulo, por algum discípulo, mas que não provém das mãos de Paulo. No entanto, a opinião tradicional é a de que é um texto autenticamente paulino. E eu defendo a posição tradicional por três razões principais:

1. A epístola aos Efésios é considerada “a culminância” do pensamento paulino". Acredito que nessa carta o apóstolo Paulo atingiu o ápice de seu pensamento. E isto é atestando mesmo pelos comentadores que não aceitam a autoria paulina. Vemos doutrinas que em outras cartas foram condensadas, aqui recebem um tratamento mais acurado. A harmonia do pensamento teológico paulino foi tão perfeita que nenhum dos antigos comentadores (e.g. Márcion, Inácio) questionou sua autoria.

A posição tradicional só foi desafiada no século XIX por estudiosos influenciados pelo racionalismo iluminista.

2. Se o caso da pseudonímia for correto e a teoria de que um discípulo de Paulo escreveu a epístola, significaria que o discípulo ultrapassou Paulo em visão teológica e percepção espiritual. Não há registro na igreja primitiva de um discípulo tão erudito e que tenha permanecido anônimo. Além disso, os primeiros cristãos provavelmente não faziam uso de pseudônimos.

Diz o professor João Alves:

" O próprio Paulo advertiu os tessalonicenses para que não aceitassem, quer por palavra, quer por epístola, como se procedesse dele, o ensino de que o Dia do Senhor já havia chegado (2Ts 2:2), e mais à frente, no final da carta, assina de próprio punho para que os leitores pudessem reconhecer a sua assinatura e certificar-se de que era ele mesmo (e não um pseudônimo) quem a tinha escrito:  “A saudação é de próprio punho: Paulo. Este é o sinal em cada epístola; assim é que eu assino”, diz ele (3:17). Não é preciso prova mais clara de que a pseudonímia, embora já existisse nos círculos cristãos, não era e não deveria ser reconhecida como legítima pela Igreja."

 

3.  As circunstâncias, como são reveladas incidentalmente pelo texto, sugerem que a epístola foi escrita durante o período em que Paulo esteve preso. Alguns têm pensado que a epístola foi escrita durante sua prisão em Cesaréia (At 23.33; At 27.2), mas Roma é muito mais aceita como o lugar de origem. A data mais provável que podemos dar-lhe é portanto, 61 A. D.

 

Professor Isaias

 Isaias Lobão Júnior

Professor - Instituto Federal do Tocantins
Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.
O professor é casado com Talita é pai da Ana Clara e do Daniel. É presbiteriano. Gosta de pamonha de sal e de ouvir música dos anos 70. Professor do ensino básico técnico e tecnológico, atuando no Instituto Federal do Tocantins, campus Paraíso do Tocantins.